SIMBOLOS DA PSICOLOGIA E DO PSICOLOGO

Símbolos oficiais da psicologia.
RESOLUÇÃO CFP Nº 002/2006
O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais, que lhe são conferidas pela Lei nº 5.766, de 20 de dezembro de 1971

RESOLVE:
Art. 1º – Aprovar como referência os símbolos oficiais da psicologia consistentes da faixa da beca, da pedra do anel, do juramento de grau dos psicólogos e do símbolo da psicologia.

Art. 2º – Define-se a cor azul para a faixa da beca dos formandos do curso de graduação em psicologia, a pedra lápis-lazúli para o anel de formatura, para símbolo da psicologia a letra grega “psi” .

Art. 3º – Fica estabelecido o seguinte texto para o juramento:
“Como psicólogo, eu me comprometo a colocar minha profissão a serviço da sociedade brasileira, pautando meu trabalho nos princípios da qualidade técnica e do rigor ético. Por meio do meu exercício profissional, contribuirei para o desenvolvimento da Psicologia como ciência e profissão na direção das demandas da sociedade, promovendo saúde e qualidade de vida de cada sujeito e de todos os cidadãos e instituições.”

Art. 4º – A presente Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Brasília (DF), 31 de março de 2006
ANA MERCÊS BAHIA BOCK
Conselheira Presidente

LAPIS LAZULI
PEDRA DA AMIZADE, QUE FAVORECE O RELACIONAMENTO ENTRE AS PESSOAS

Lápis-Lazúli , conhecido também como Lápis, é uma rocha metamórfica de cor azul utilizada como gema ou como rocha ornamental desde antes de 7000 a.C. em Mehrgarh, na Índia, situado nos dias de hoje no Paquistão.
A sua cor, azul-escura e opaca, fez com que esta gema fosse altamente apreciada pelos faraós egípcios, como pode ser visto por seu uso proeminente em muitos dos tesouros recuperados dos túmulos faraônicos.
 A primeira parte do nome, lápis, em latim, significa pedra. A segunda parte, lazúli, é a forma genitiva no latim de lazulum, que veio do árabe (al)- lazward, ou do sânscrito Raja Warta, significando anel, vida do rei.
Lazúli era originalmente um nome; logo veio a significar azul por causa da pedra.

No antigo Egito, o lápis-lazúli era a pedra favorita para amuletos e ornamentos. O lápis-lazúli simbolizava a água como elemento primordial da criação e era colocado juntamente com as múmias para substituir o coração e fazer a regeneração no outro mundo. Eles trituravam esta pedra para obter um pigmento que decorava as vestes sacerdotais e os Templos; Era considerado um poderoso amuleto, utilizado como cosmético pelas mulheres como sombra para os olhos; também, consagrado à deusa Ísis, pois os sacerdotes acreditavam que através de um processo de meditação com esta rocha era possível entrar em contacto com os deuses.

O lápis-lazúli era uma das pedras utilizadas sobre o peitoral dos mais altos sacerdotes de Israel. A tradição diz que as Leis dadas a Moisés estavam gravadas em tábuas de lápis-lazúli.
Na China era uma das Sete Coisas Preciosas. Como inscrito no capítulo 140 do Livro dos Mortos egípcio, o lápis-lazúli, na forma de um olho ajustado no ouro, foi considerado um amuleto de grande poder. No último dia do mês, oferecia-se este olho simbólico, porque se acreditava que, nesse dia, um ser supremo colocou tal imagem em sua cabeça.

Os antigos túmulos reais sumérios de Ur, situados perto do rio Eufrates no baixo Iraque, continham mais de 6000 estatuetas belamente executadas, de lápis-lazúli, de pássaros, cervos e roedores, bem como pratos, grânulos e selos de cilindro. Estes artefatos vieram indubitavelmente do material minado em Badakhshan no norte do Afeganistão. Também na Suméria é possível encontrar importantes vestígios da utilização desta rocha onde foram encontradas mais de 6000 estatuetas de vários animais.

Mais tarde os romanos acreditavam que o lápis-lazúli era um afrodisíaco, ao passo que na Idade Média era utilizado por se acreditar nas suas qualidades curativas em relação a doenças de pele. Durante muito tempo este azul era admirado e utilizado pelos artistas. O pó triturado desta rocha era utilizado como pigmento e era conhecido não só pela sua beleza como pelo seu preço extremamente elevado.

O antigo Palácio de Petesburgo, da célebre família russa Orlov, possuia uma sala de recepção cujas paredes se encontravam completamente cobertas de lápis-lazúli, na crendice de que assim, nenhuma desgraça poderia ocorrer naquele casa…

A pedra:
De cor azul, entre o opaco ao semitranslúcido, o lápis-lazúli é composto de vários minerais.É uma associação de minerais: uma combinação do mineral azul lazurita, estrias brancas de calcita, com hauynita, sodalita e algumas partículas douradas de pirita – daí ser considerado uma rocha.Também é chamado comercialmente de lápis-do-afeganistão, lápis-russo, lápis-siberiano, lápis-chileno, lápis-oriental.
Sua cor tem variação de azul ligeiramente esverdeado, médio e escuro ao azul avioletado, frequentemente com veios ou salpicos de inclusões de pirita e/ou calcita.

Leave a Comment

Please note: Comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.